segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Capítulo 12 – Um Aniversário Especial - fanfiction "A New Life"

Livro 2 – Patrícia
O dia do meu aniversário tinha chegado… era dia 7 de Dezembro, Segunda-Feira, mas havia outra pessoa que também fazia anos nesse dia… era ele, a pessoa que eu já tinha perdido.
Ia ser um dia como outro qualquer, pelo menos para mim, eu não tinha vida, por isso nem valia a pena festejar o meu aniversário.
Eram 20:00h e a minha irmã estava a preparar-se para ir para casa do Oliver, pois tinham todos combinado encontrar-se lá para depois seguirem caminho para a casa do Benji, celebrar o seu aniversário.
Não é que eu gostasse muito de festas e de aniversários, mas também queria festejar com eles, mas não tinha coragem suficiente para aparecer na festa e enfrentá-lo cara a cara.
Rita: Tens a certeza que não queres vir? – Eu não lhe consegui responder, porque nem eu sabia bem o que queria, estava dividida, o meu coração dizia para ir, mas o meu sexto sentido dizia que não.
Achei melhor dizer que não; eu ainda não conseguia proferir nenhuma palavra, desde aquele dia, eu quase não falava, passava todas as horas em silêncio profundo, então abanei a cabeça dizendo que não.
Rita: hum, ok… então feliz 17º aniversário. Até já – disse dirigindo-se para a porta.
- Hey! Desculpa pelo que te disse no outro dia.
Rita: não tem importância, eu compreendo, mas agora eu tenho mesmo de ir, devem estar todos à minha espera – disse ela um pouco apressada, eu ri-me e disse: vai lá e boa festa…
Rita: Podes crer que sim… – disse sorrindo e saindo pela porta.

---

Livro 1 – Rita
Eu tinha apenas que me dirigir para a casa do Oliver, mas mesmo sendo perto eu estava atrasada…
Quando cheguei bati ansiosamente à porta, quem é que a abriria? Será que era ele? O meu coração ia batendo mais rapidamente, a uma certa altura eu pensei que ele tivesse saído do meu peito.
Finalmente alguém abre a porta, ele estava deslumbrante, lançou-me um sorriso encantador, que como sempre, me deixava sem ar, o seu rosto era mais belo que o rosto de um anjo, a cor dos seus olhos ainda o tornava mais doce…
Ele tinha vestido uma camisa branca meio amarrotada, mas muito bonita à mesma, ela não estava completamente abotoada, dois dos botões da camisa estavam desabotoados, eu apenas controlava a minha vontade de os desabotoar todos…
Os punhos da camisa também não estavam abotoados e as mangas estavam arregaçadas, por cima da camisa tinha um colete preto, justo ao seu corpo, o que fazia com que o seu peito e os seus abdominais torneados sobressaíssem mesmo por de trás da roupa, tinha também umas calças de ganga preta, não muito largas nem muito justas à perna e tinha calçados uns lindos All Star pretos, que pareciam novos. O seu cabelo estava ao natural sem gel nem laca, estava simples, mas radiante, ele não precisava de nenhum esforço para ficar lindo, porque… ele era perfeito, não era pela roupa que usava, nem pela sua boa aparência ou pela sua boa forma física, mas sim pelo carinho, ternura e doçura que ele transbordava para todos à sua volta. Eu amava-o mais do que tudo.
Por incrível que pareça, e nós nem sequer tínhamos combinado, a gama de cores que eu tinha escolhido para mim também era à base de preto e branco.
Eu tinha uma blusa de mangas cavas branca, feita de um tecido muito leve que à mínima aragem se agitava, eu achava era que o decote era muito acentuado… por isso levei o meu casaco da “adidas” preto com riscas brancas na zona dos braços e dos ombros, do lado esquerdo do peito estava o símbolo da “adidas”, os nossos pais tinham comprado um casaco para cada uma, para mim e para a minha irmã. Também tinha as minhas mangas do casaco arregaçadas, tal como ele, as da camisa. As calças que eu trazia eram também de ganga, mas esta era azul, também levava os meus All Star pretos, mas os meus estavam um pouco gastos, pois eram eles onde me sentia mais confortável e além disso, quando fomos convidados pelo Benji ele deixou bem explicito que ia haver bastante música e dança, por isso resolvi optar por um “look” mais desportivo, tal como todos os outros que se encontravam naquela casa.
Não tinha feito absolutamente nada com o meu cabelo, ele estava liso e longo, dava-me até à cintura, só tinha uma bandolete com um laço meio enviusado do lado direito, que nem sequer me prendia a franja, esta era bastante grande e lisa e dava-me até aos olhos, mas não passava dai.
Os olhos dele brilhavam cada vez mais quando olhava para mim, ele disse: Estás linda… – disse com o chocolate dos seus olhos a derreter-se cada vez mais e com a voz inundada de doçura.
- Tu também, estás um espanto – disse eu sorrindo e aproximando-me dele para tocar os seus lábios, os meus lábios encontraram os dele, os meus eram um pouco ansiosos mas doces em simultâneo, os dele eram completamente meigos e quentes.
Eu já me tinha esquecido que me encontrava à porta de entrada da casa do Oliver e que estava um monte de gente a observar-nos e à espera para ir a uma festa. Só a sensação de estar a ser observada é que me fez parar, o sangue começou rapidamente a aflorar-me as maçãs do rosto, será que eu nunca me iria conseguir conter quando ele estivesse por perto?
Quando me afastei o Toby disse tocando-me no rosto: adoro quando fazes isso… – eu tinha a certeza de que ele tinha sentido o quão quente estava o meu rosto.
Bruce: muito bem pombinhos, mas agora, já podemos ir? – Perguntou com um tom de impaciência a denotar-se na sua voz.
Oliver: sim claro, vamos – disse o Oliver com uma réstia de riso na voz, devido ao que tinha acabado de acontecer em frente dos seus olhos.

---

Estávamos quase a chegar à casa do Benji, mas eu continuava preocupada e sabia muito bem que essa preocupação estava bastante visível no meu rosto e nos meus olhos. O Toby olhava para mim com bastante atenção e perguntou: O que tens? Pareces preocupada…
- Nota-se assim tanto? – Perguntei, como se eu não soubesse que eu não conseguia esconder nada dele – sim… estou, estou preocupada com a situação da minha irmã com o Benji – não conseguia tirar da minha cabeça aquela imagem da minha irmã sentada nas escadas a chorar angustiada, devido ao que se tinha passado com o Benji, não conseguia deixar de estar preocupada com ela.
Toby: Vais ver que tudo vai ficar bem… mas não fiques assim – disse ele tentando tranquilizar-me – agora relaxa e acima de tudo, aproveita a festa – ele aproximou bastante o seu rosto do meu e sussurrou-me ao ouvido com ternura: comigo… – eu sentia agora a embater no meu rosto a sua respiração calma, eu não me conseguia controlar, o meu coração batia mais rápido cada vez que ele se aproximava. Ele era tão doce, eu não conseguia resistir, mesmo que quisesse; os meus lábios voltaram a tocar os dele, era impossível não beijar aqueles lábios doces e meigos.

---

Tínhamos acabado de chegar, o Oliver tocou à campainha, não demorou muito tempo até começarmos a ouvir uma voz conhecida com um tom grave e calmo, vinda do intercomunicador.
Benji: ah aqui estão vocês… – disse ele, mesmo não o vendo, senti um sorriso na sua voz, não que fosse de felicidade, mas ele parecia estar a tentar falar com um tom mais alegre, o que não estava a ser propriamente fácil.
Respondemos todos: Parabéns Benji!
Ouvimos o automatismo do portão a abrir-se, começámos todos a entrar, alguém vinha ter connosco a correr, ao longe via-se um vulto a vir na nossa direcção, era baixo e parecia que se apoiava em quatro patas, só quando ouvi um latido é que percebi que era o Yuki, o cão do Benji, era um pastor alemão bastante grande, o que me assustou um pouco.
Mesmo atrás dele vinha um rapaz com um boné vermelho que se denotava ao longe, ele estava com umas calças de ganga, uma t-shirt branca e uns ténis, que pelo símbolo… eram da “adidas”.
Ele gritava para o cão dizendo: hey! Calma amigo! – Quando o apanhou, foi a brincadeira total, pareciam que estavam os dois a sorrir, tanto o Benji como o Yuki.
O Benji deixou o seu querido amigo canino e cumprimentou-nos: Obrigado a todos por terem vindo… – ele olhava em sua volta, mas o seu olhar ficou desapontado, pois a pessoa mais importante tinha faltado à festa.
Benji: Bem, entrem, estão ai a fazer o quê? A ganhar raízes? – Disse tentando esboçar um sorriso.
Se eu já tinha ficado boquiaberta com o espaço que aquela mansão tinha cá fora nem imaginava o que me esperava lá dentro.
Era tudo grandioso e reluzente, a casa estava bastante bem organizada e limpa, no centro da sala de jantar estava uma enorme mesa cheia de comida, doces e bebidas. Também tínhamos um salão, em que no tecto se encontrava uma bola de espelhos que com as luzes dos holofotes fazia milhões de reflexos, e a música que se fazia ouvir vinha de uma estrondosa aparelhagem que inundava todo aquele salão de ritmo. Ao lado da aparelhagem havia ainda uma grande mesa de mistura, será que ele tinha contratado um DJ?
Nós fomos direitos ao salão, pois o que queríamos mesmo era festejar e esquecer as preocupações. O Mark perguntou ao Benji: Olha importas-te que eu seja o DJ?
Benji: claro que não, vai lá…
Assim que o Mark saltou para trás da mesa de mistura, mais ninguém se dignou a parar de dançar, eu reconheci a música por de trás de todos aqueles efeitos sonoros, era “Everytime We Touch” da Cascada.
Toby: a senhora… dá-me a honra desta dança? – Perguntou no meio de um sorriso e estendendo a sua mão.
- Claro… – disse eu agarrando a sua mão.
Ele fez com que eu desse uma volta e depois puxou-me para perto dele, o meu corpo ficou tão perto do dele que eu já nem sequer me sentia em mim, os nossos rostos estavam muito próximos, eu sentia a sua respiração irregular e o seu coração a bater acelerado, ele sorriu e disse: Agora és minha… – disse ele aproximando o seu rosto do meu, eu estava mesmo quase a tocar os seus lábios quando ele me afastou rapidamente, fazendo com que eu desse uma centena de passos de dança. Ele puxou-me de novo num movimento rápido, encostou o seu rosto ao meu, as nossas respirações estavam ambas alteradas, ele aproximava-se cada vez mais de mim, eu lutava contra a minha vontade de o beijar, consegui esquivar-me e disse com um sorriso matreiro: tu é que pediste… – disse eu começando a fazer vários passos de dança, uns mais agressivos que outros, mexendo sempre a minha cintura em movimentos circulares, cada vez aproximando mais o meu corpo do dele. Ele acompanhava o meu ritmo e segurava-me firmemente nos seus braços fortes, desde ai não parámos de dançar. O ambiente era bastante quente, mas eu sentia-me bem, e o cansaço não me afectava nada.
O Mark anunciou ao microfone que se encontrava afixado à mesa de mistura: e o Toby e a Rita dominam a pista de dança!
As músicas iam passando e mudando, mas a dança prosseguia sempre com bastante energia, os nossos corpos quentes e transpirados estavam cada vez mais próximos ao ritmo da música. Os nossos rostos aproximavam-se cada vez mais, os meus lábios encontraram de novo os dele, tanto os meus lábios como os dele eram ansiosos e talvez um pouco agressivos.

19 comentários:

  1. ola, eu sou deficiente visual e uso um leitor de ecrã que lê tudo que tá aqui! ele lê os vossos textos como se fosse uma pessoa normal! ^vocês não descartam a pontuação! alguem sabe onde tao os filmes do oliver falados em portugues e que eu nao percebo nada de espanhol e de japonês, e nao concigo ler legendas! continuem rita misaki e patrícia nao sei o quê, desculpa lol hahahahah! é um nome bué esquisito! continuem!

    ResponderEliminar
  2. Em portuguÊs ainda não encontrei mas se conseguir eu posto os links aqui...

    ResponderEliminar
  3. SIMPLESMENTE MÁGNIFICO!!
    só uma pergunta, vocês são mesmo irmãs na realidade? :s

    ResponderEliminar
  4. está a ficar muito pornográfica LOOOL

    ResponderEliminar
  5. n ta nada n sei quem tu es mas acho k nao esta eu acho que posso responder a pergunta da andreia elas n sao irmas sao apenas amigas mas falando da fanfaction esta magnifica espero que consigam postar mais esta semana e esta linda amei

    ResponderEliminar
  6. que eu saiba... pornografia isto não é... mas se tu achas que dançar é uma coisa depravada... estás à vontade "Anónimo".

    ResponderEliminar
  7. Amei, linda!!!! <3
    Escrevem muito bem.
    E de pornografia isto não tem nada, onde é que "vês" a pornografia, "anónimo"?!
    Continuem assim!!!

    ResponderEliminar
  8. Linda, amei . Continuem !
    E isto de pornografia não tem nada -.-'

    ResponderEliminar
  9. Eu adorei está linda!!! Estou ansiosa para saber o que vai aconteser com a Patrícia e o Beni!!!
    E em relação á pornografia discordo completamente com o "anónimo",mas acho que ele não disse isso por mal. Um beijo adorei e continuemm!! :)

    ResponderEliminar
  10. Concordo completamente Ana Rita!
    Beijinhos para todas(os)

    ResponderEliminar
  11. Adorei.
    O Benji vai perdoar a Patrícia porque a ama muito.

    ResponderEliminar
  12. olá, finalmente conssegui que aparecesse o meu nome nos comentários lool! vocês não liguem a essas bocas porque vocês estão a fazer arte, pelomenos eu encaro como arte, até o pior cego concegue ver! e que eu saiba só se torna pornografia se tiver videos ou imagens. nao faz mal falar de amor puro! continua patrícia vais conquistar o benji! acho que eles vao ficar juntoooooooooooooooooossssssssssss lool!

    ResponderEliminar
  13. pra ja eu dantes gostava das fanfictions e agr ja n gosto pra mim sao horriveis...
    n gosto nd'a de as ler por isso vou deixar de visitar o site. deve haver mais sites melhores que este

    ResponderEliminar
  14. Podes dizer-me o porquê anónimo? o que é que as torna assim tao horríveis? eu preciso saber para conseguir melhorar...

    ResponderEliminar